Desenvolvimento de emulsões com fase gel lamelar à base de óleo de calêndula (Calendula officinalis) e avaliação da atividade cicatricial em úlceras cutâneas de ratos

Informações
Tipo: 
Tese
Unidade da USP: 
Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF)
Autor(es): 
Cindy Hana Okuma
Orientador: 
Pedro Alves da Rocha Filho
Data de Publicação: 
2013
Resumo
O objetivo desta pesquisa foi desenvolver e aperfeiçoar uma formulação com fase gel lamelar contendo óleo de Calendula officinalis e avaliar seu potencial na atividade cicatrizante de úlceras em ratos. A formulação estudada possui valor de EHL 6,0, constituída por óleo de calêndula e sistema tensoativo formado por derivados etoxilados dos alcoóis cetílico e estearílico (Ceteth 2/Steareth 20). Primeiramente, determinou-se a região do diagrama ternário de fases em que se encontravam as emulsões com fase gel lamelares (EFGL), macroscopicamente estáveis. Em seguida foi avaliada a estabilidade do sistema e parâmetros que poderiam influenciar na formação das estruturas anisotrópicas. Avaliou-se o comportamento das emulsões utilizando o teste de perda de massa por evaporação. Na avaliação in vitro, foram realizados testes de citotoxidade do óleo de calêndula frente às células de fibroblastos da linhagem L929 através do ensaio de apoptose e necrose. O teste in vivo foi realizado através do Índice de Cicatrização de Úlceras (ICU) no modelo em dorso de ratos (úlcera excisional contrátil) a fim de avaliar o potencial cicatrizante da emulsão proposta comparando com o sham (grupo controle). As úlceras foram avaliadas mediante análise de imagem nos tempos de 0, 2, 7, 14 e 21 dias após o procedimento cirúrgico. A EFGL demonstrou maior estabilidade frente aos testes de estabilidade preliminar e acelerada em relação as demais formulações. Além disso, esta formulação demonstrou menor área de histerese (tixotropia), portanto menor grau de espalhabilidade e com maior tempo de contato com a úlcera. Durante a evaporação das emulsões houve manutenção das estruturas anisotrópicas O óleo bruto da Calendula officinalis não apresentou interferência na via da apoptose e necrose na concentração de até 1000 ?g/mL em fibroblastos L929. A formulação proposta promoveu melhor cicatrização no modelo de úlcera cutânea (ICU) na região dorsal de ratos, supondo- se modular a fase inflamatória do processo de cicatrização, pois o maior recrutamento de células inflamatórias bem como a colagênese, diminuída no grupo EFGL, foram fatores essenciais que permitiram a total reepitelização das úlceras cutâneas. Portanto, pode-se concluir que a metodologia utilizada nesta pesquisa foi útil para a obtenção de emulsões com fase gel lamelar, sendo que a formação dessa estrutura é importante para a estabilidade do sistema, podendo ser utilizada como uma formulação viável e eficaz no processo cicatricial de feridas.