Importância da detecção de malária subclínica em doadores de sangue em zona não-endêmica

Informações
Tipo de Projeto: 
Pesquisa
Coordenador: 
Sergio Paulo Bydlowski
Pesquisadores envolvidos: 
Débora Levy, Luciana Morganti F Maselli
Agência de Fomento: 
FAPESP Processo No. 2009/53141-5
Finalizado: 
Sim
Inicio: 
2010
Término: 
2012
Resumo
O projeto visa determinar a infecção subclínica pela malária (sorologia e análise molecular), em 600 candidatos à doação de sangue, potencialmente assintomáticos para a malária, provenientes de (ou que de alguma maneira estiveram) regiões remanescentes da Mata Atlântica do Estado de São Paulo, e em 600 doadores de sangue da população em geral (provenientes de outras áreas da grande SP). Deste modo, objetiva-se: - avaliar e validar as principais técnicas, sorológicas e moleculares, na eficiência da detecção desta infecção subclínica nos doadores de sangue. - conhecer a prevalência de doadores de sangue de diversas procedências, infectados pela malária, mas clinicamente assintomáticos. - identificar estes indivíduos com malária subclínica, reservatórios assintomáticos do parasita, encaminhando-os para tratamento e impedindo, assim, a transmissão não intencional por doação de sangue. - estabelecer e avaliar as áreas de procedência destes doadores (áreas com remanescentes de mata Atlântica, áreas não endêmicas, características da região, etc.) e motivos da possível exposição (residência, lazer, trabalho, etc). - determinar a(s) melhor(es) técnica(s) para detecção destes portadores. - elaborar e validar um questionário específico para áreas não endêmicas, que contemple a possibilidade de infecção pela malária. Estes resultados poderão ter aplicação imediata pelo SUS, por melhorar a qualidade do sangue fornecido, inibindo a contaminação, principalmente em pacientes imunodeprimidos, e diminuindo a recusa de doadores.