Análise da expressão dos receptores 1 e 2 de leucotrienos na população de linfócitos B e T tonsilares em crianças com apneia obstrutiva do sono: comparação entre alérgicos e não alérgicos

Informações
Tipo de Projeto: 
Pesquisa
Coordenador: 
Renata Cantisani Di Francesco
Pesquisadores envolvidos: 
Juliana Pereira, Bruno Peres Paulucci
Agência de Fomento: 
FAPESP
Finalizado: 
Não
Inicio: 
2014
Resumo
A hiperplasia adenoamigdaliana (HA) é a principal causa da Sindrome da Apneia Obstrutiva do Sono em crianças e não tem etiologia totalmente elucidada. Sugere-se associação com doenças alérgicas, como rinite. As alergias têm os leucotrienos como um dos principais mediadores. Seus receptores mais estudados são o CisLT1R e o CisLT2R, que são expressos em linfócitos e em outras células, principalmente em situações de resposta alérgica. Alguns estudos mostram também sua expressão em ambientes de proliferação celular, como em neoplasias. Considerando que os receptores de leucotrienos estão envolvidos em processos mitóticos mesmo na ausência de respostas alérgicas, nossa hipótese é de que a proliferação celular linfocitária da hiperplasia adenoamigdaliana ocorra intermediada pelos CisLT1R e CisLT2R em portadores e não portadores de doenças alérgicas respiratórias. Acreditamos que nos alérgicos, a expressão dos seja maior. Os objetivo desse estudo são: Primário: comparar quantitativamente a expressão dos CisLT1R e CisLT2R na superfície de linfócitos B e T tonsilares, de crianças alérgicas e não- alérgicas, portadoras de SAOS por HA. Secundário: comparar, em cada sub- região anatômica tonsilar, a expressão dos CisLT1R e CisLT2R na superfície de linfócitos de crianças alérgicas e não- alérgicas, portadoras de SAOS por HA. Incluiremos pacientes com: 4 a 9 anos com quadro de roncos e apneia noturna por HA. Inicialmente será realizado duplo prick test para os alérgenos respiratórios mais comuns. Serão então formados 2 grupos:Alérgicos: prick test com resposta concordante em pelo menos um dos testes. Não alérgicos: prick test com resposta negativa em todos os testes. Serão excluídos pacientes com: prick test discordante, obesidade ou sobrepeso, deformidades crânio- faciais ou síndromes genéticas, uso de corticosteroides, anti- leucotrienos ou anti- histamínicos ha 3 meses; amigdalites de repetição. Em seguida os pacientes serão submetidos a adenoamigdalectomia. Um fragmento do tecido removido será analisado histologicamente com hematoxicilina e eosina, para confirmação de hiperplasia; esse fragmento será estocado em parafina. Citometria de fluxo: o tecido remanescente será mecanicamente dissociados em RPMI, centrifugado, e o sedimento de células será ressuspenso em RPMI. Os linfócitos tonsilares B e T serão definidos por um anticorpo FITC contra CD3 humano e um anticorpo PerCP contra CD19 humana. Os anticorpos contra CisLT1R e CisLT2R serão utilizado para avaliar a sua expressão na superfície dos linfócitos.As células serão então marcadas com fluorocromo F PE-conjugado (AB0) anticorpo anti-coelho secundário. A fluorescência será lida num citofluorímetro FACScan. Imunofluorescência: por ser um objetivo secundário, essa etapa será realizada caso haja tecido viável. Em lâminas de cortes sucessivos, será realizada a marcação antigênica utilizando anticorpos contra CisLT1R e CisLT2R em uma das lâminas; na lâmina adjacente será realizada a marcação antigênica dos CD3 (linfócito T) e CD20 (linfócito B). Em seguida, serão adicionados os anticorpos fluorescentes secundários. A leitura das lâminas será feita através de um microscópio fluorescente confocal.Análise Estatística: a expressão de CisLT1R e CisLT2R será o principal desfecho do trabalho. Será feita a seguinte comparação estatística entre os grupos:Citometria de fluxo: percentil celular de cada tipo linfocitário. Imunofluorescância: grau de expressão dos receptores em cada sub- região anatômica (zona folicular e centro germinativo)Será utilizado o teste-t de student para análise da variável em estudo. Como não há na literatura estudos semelhantes ao atual, não podemos prever o grau de diferença entre os grupos e não é possível o cálculo prévio da amostra. Dessa forma, será realizado um teste inicial com 20 pacientes (10 em cada grupo); a partir dos resultados obtidos, avaliaremos a necessidade de inclusão de novos pacientes. (AU)